Arquivo do mês: setembro 2011

ROBERTA JUNGMANN RECEBE MEDALHA JOSÉ MARIANO

Por Francisnaldo Gonçalves (Francis) editor – Fotos: Aguinaldo Leonel – divulgação

 

O espaço da Câmara Municipal do Recife ficou pequeno na tarde do último dia 22 de setembro, para acomodar as pessoas que foram prestigiar a solenidade de entrega da Medalha do Mérito José Mariano, a mais alta comenda do poder legislativo do Recife, que leva o nome do patrono da Casa, à jornalista e titular da coluna social Dia a Dia, do Jornal do Commercio, Roberta Jungmann, numa iniciativa do vereador Sérgio Magalhães (PSD).

A solenidade presidida pelo vereador e presidente da Câmara Municipal, Jurandir Liberal, teve início às 16h30 com a execução do Hino Nacional e a presença de Inúmeros empresários, políticos, juristas, jornalistas e colunáveis o que mostrou o grande prestígio da jornalista.

 

Os vereadores Almir Fernandes (PCdoB), Marcos de Bria (PTC), Vera Lopes (PPS), Sérgio Magalhães (autor da proposta), João Arraes (PSB), Augusto Carreras (PV), Inácio Neto (PT), Carlos Gueiros (PTB) e Judeval  de Lima (PTN), formaram uma comissão para conduzir a homenageada (sob aplausos da platéia), ao plenário, sendo a mesa composta pelo jornalista Ivanildo Sampaio, diretor de redação do Jornal do Commercio, Secretário de Turismo do Recife André Campos, o ex-governador Joaquim Francisco, o presidente do Tribunal Regional Eleitoral (TER), José Patriota Mota e o deputado Gustavo Negromonte, representando a Assembléia Legislativa.

 

A medalha e o diploma foram entregues pelo vereador e autor da proposta, Sérgio Magalhães, após o discurso de saudação, no qual ele enfatizou que sentia-se muito a vontade para falar sobre Roberta Jungmann, pois a conhecia ha muito tempo e que laureava uma das profissionais mais competente e querida da nossa imprensa e da sociedade pernambucana.

 

If you can https://www.essayclick.net do one of those two things, then you’re on your way to finding your audience

23ª Regata Recife Fernando de Noronha

Por Francisnaldo Gonçalves (Francis) – Editor – Foto: Cortesia

Uma das mais tradicionais provas do iatismo brasileiro, a regata Recife Fernando de Noronha, Refeno, com 64 embarcações participantes de Pernambuco sai do cais porto do Recife, com largada às 11h, deste sábado 24 de setembro, do Marco Zero no barro do Recife.

O Comodoro Carlos Dantas e o Secretário de Turismo do Recife, André Campos

Onze estados brasileiros participam da 23ª edição, com presença internacional da Argentina, Estados Unidos, Irlanda e Espanha. São aproximadamente 600 velejadores, incluindo os cruzeiristas para os quais a Refeno é um hobby e os regateiros, que se empenham em busca dos melhores resultados.

Para comemorar a 23ª Refeno, a diretoria, os participantes, a Secretaria de Turismo do Recife e do Estado, se reuniram tradicionalmente em jantar festivo de confraternização nesta quinta feira na sede do Cabanga Iate Clube com show, sorteio e muita música e contou as presenças do secretário de Turismo do Recife, André Campos, o adjunto, Carlos Braga, além do secretário executivo de Turismo do Estado, Marconi Muzzio, do presidente do Recife Convention & Visitors Bureau, Paulo Menezes, e da representante da  administração de Noronha, Luciana Carvalho,  que reuniu ainda ídolos do esporte como Torben Grael.

 

Whatsapp https://celltrackingapps.com dominates modern messaging, beating even the mighty facebook messenger app by at least 100 million messages sent every month

Imprensa alerta contra a corrupção

Elias Roma Filho

O 15º Encontro Nacional das Associações de Imprensa, realizado no Recife sob a coordenação da Associação da Imprensa de Pernambuco(AIP) e Federação Nacional das Associações de Imprensa terminou com a decisão que convoca todos os comunidades que integram a mídia brasileira – rádio, TV, redes sociais da Internet, revistas  e  jornais – para que sejam acompanhados todos os casos denúncia de corrupção em todos os setores da sociedade. É uma forma de manter alerta todos aqueles que se preocupam com os desmandos praticados por autoridades, servidores públicos e aqueles que estão lidam com o dinheiro público.No encontro, de 12 a 14 de setembro,  foi lembrada as ações da AIP durante os anos de crise política enfrentados pelos brasileiros, desde o Estado Novo inspirado pelo Governo do presidente Getúlio Vargas, nos anos 40, até a Revolução de l964, que perpetuou um grupo de militares no Poder

Fiscalizando o Governo

Ao contrário das lutas acontecidas nas primeiras décadas da Instituição, hoje as associações de imprensa de todo país buscam a punição dos envolvidos nos desmando registrados em diversos órgãos do Governo. Durante o 15º Enai representantes de quase todos estados brasileiros discutiram também importantes temas como “Cultura digital, Jornalismo Multimídia”, “Dia Mundial da Liberdade de Imprensa”.

Saudação do presidente

Na saudação final do encontro, o presidente da AIP,  Múcio Aguiar afirmou que “nós, jornalistas, devemos cultivar a pluralidade de idéias, devemos exercer o equilíbrio do jornalismo imparcial e ético”. É pensando assim, que a nossa Associação da Imprensa de Pernambuco recebeu os confrades de diversas associações, convidados e palestrantes para nos três dias do encontro aprofundar nosso papel na sociedade e nos fortalecermos institucionalmente – sempre com o olhar firme no futuro e palavras fortes no presente. O ENAI Pernambuco deixa todos atentos em busca de todos os sonhos de liberdade e celeiro de esperança por uma Imprensa cujo alvo é a sociedade

Elias Roma é jornalista e diretor da AIP

 

While it’s made for the workplace, some of the https://pro-essay-writer.com personality quizzes could be easily translated in the classroom

Mesa do Cirio: Tema do Jantar de Abertura do Congresso da Abrajet.

Editor: Francisnaldo Gonçalves (Francis)

Texto: Lurdinha Bezerra (Sesc/Abrajet)
Fotos: Jean Barbosa (Paratur)

A culinária paraense será uma das atrações do XXVIII Congresso da Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo (Abrajet), que acontece de 22 a 27 de setembro de 2011, em Belém e cinco pólos turísticos do estado. Os pratos típicos do estado serão servidos no Jantar de Abertura do evento, que deve receber cerca de 350 pessoas, em sua

maioria jornalistas do Brasil e do mundo. Aproveitando a proximidade do Círio de Nazaré, a manifestação cultural mais expressiva do Pará, o jantar irá reproduzir uma típica ceia do Círio. Pato no tucupi, maniçoba, arroz paraense e vatapá serão alguns dos pratos principais. “Esse evento é importante para divulgar não só os pontos turísticos, mas também nossa gastronomia. Por isso escolhemos fazer a mesa do Círio”, explica o chef Fábio Scilia, que participou da escolha dos pratos.

Os chefs que irão executar os pratos são Sebastião Santos, professor do Senac e apersonal chefIlca de Almeida. Cerca de quarenta alunos concluintes dos cursos de Cozinheiro e Garçom do Senac irão auxiliar no preparo e servindo o jantar. Para o preparo, será utilizada a cozinha industrial da instituição. “Já fiz vários cursos do Senac durante minha graduação, e é a primeira vez que estamos trabalhando juntos. Estou com uma expectativa muito boa quanto essa parceria”, conta Ilca.

Para Sebastião, o evento é uma grande oportunidade para os alunos do Senac colocarem em prática tudo que aprenderam durante o curso. “Eles irão vivenciar desde a relação dos ingredientes, passando pela execução, até a apresentação final dos pratos. Vão informar-se inclusive sobre os custos de cada material”, conta o professor. A visibilidade que os futuros chefse garçons – ou mâitres ­– terão a partir do contato com profissionais da mídia é outra vantagem para esses alunos, segundo ele.
Sebastião ressalta também a satisfação em divulgar a rica culinária paraense. “Estamos muito felizes com nosso envolvimento neste evento. Ele só tende a crescer”.Para a chefIlca, o jantar de abertura do maior congresso de jornalistas especializados em turismo do Brasil é antes de tudo um espaço privilegiado para apresentar nossa “real gastronomia”. “Às vezes utilizam nossos ingredientes para criar pratos totalmente diferentes do que conhecemos”, justifica. Ela espera que a aparência um tanto insólita da maniçoba não intimide os visitantes. “Esperamos que eles experimentem tudo”.

Congresso – O XXVIII Congresso da Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo (Abrajet), acontece de 22 a 27 de setembro de 2011. O público-alvo são os profissionais de comunicação, turismo e outras áreas  que desejam conhecer o Pará, um dos destinos turísticos mais procurados do mundo. São esperados cerca de 250 formadores de opinião, em busca de pautas positivas sobre o turismo: gastronomia, eventos, cultura, artesanato, negócios, economia e outros assuntos que vão garantir ao Pará ampla divulgação simultânea em todo o Brasil, Portugal, França, Guiana Francesa, Suriname, e outros países convidados. O XXVIII Congresso da Abrajet terá como tema “O legado turístico dos megaeventos esportivos” e “A importância das mídias sociais para o turismo”.

Garanta sua inscrição. Últimas vagas !!
PROGRAMAÇÃO
Dia 22 – 20hs Jantar de Boas Vindas
Jantar temático com assinatura dos chef´s Fábio Sicília (Famíglia Sicília), Ilka do Carmo (Conceição do Araguaia) e Sebastião Rosivaldo (Senac). O tema é o Círio de Nazaré, com cortejo da berlinda de Nossa Senhora de Nazaré, Auto do Círio, exposição de mantos no hall, desfile de “Jóias do Pará” e show de carimbó de Marapanim.
Dia 23 – 8h30 às 13h – Ciclo de Palestras
8h30 a 10h – Tema1: “Legado Turístico dos megaeventos esportivos”
Palestrante: Fernando Telles Ribeiro (atleta, escritor, consultor)
10h – Intervalo
10h30 a 12h30 – Tema 2: “Importância das Mídias Sociais para o Turismo”
Palestrante: Ney Messias Júnior – Secretário de Estado de Comunicação Social do Governo do Pará e Adenauer Góes, presidente da Companhia Paraense de Turismo (Paratur)
12h40 – Almoço típico paraense no Restaurante do Hangar (exclusivo para membros e convidados da Abrajet,  jornalistas e palestrantes)
14h – Palestra: Transportes Turísticos na Amazônia (aberta a todos)
Palestrante: Fábio Romero – Presidente do Sindicato de Guias de Turismo do Pará – Singtur
15h – Debate: “Divisão Territorial e as Perdas para o Turismo” – aberto a todos
16h – Reunião do Conselho Administrativo da Abrajet (restrita aos conselheiros)
1)      Aprovação de proposta de reforma estatutária e seu encaminhamento a Assembléia Geral;
2)      Votação, indicação de proposta de cidade para sediar o do XXIX Congresso no ano de 2012
3)       Assuntos Gerais
17h a 18h30 – Assembléia Geral da ABRAJET (restrita aos associados)
1)     Aprovação de reforma estatutária;
2)     Votação e aprovação final da cidade – sede do XXIX Congresso
3)     Assuntos Gerais
19h – Coquetel de encerramento
24 a 27 – Press Trip (visitação aos pólos turísticos do Pará)
– Belém (Belém, MOsqueiro, Icoaraci e Cotijuba), Marajó (Soure, Salvaterra e Cachoeira do Arari), Amazônia Atlântica (Tracuateua / Salinas) Araguaia Tocantins (Barcarena / Paragominas) e Tapajós (Santarém e Alter-do-Chão)).
Dia 26 – 10h – Sessão solene na Assembléia Legislativa em comemoração ao “Dia Mundial do Turismo”.
Dia 27 – “Dia Mundial do Turismo”
Dia 28 – retorno dos jornalistas para cidades de origem
INSCREVA-SE AQUI
ACOMPANHANTE / NÃO ASSOCIADO
ASSOCIADOS DA ABRAJET
ESTUDANTES
DEMAIS JORNALISTAS E PROFISSIONAIS DE TURISMO
FALE CONOSCO:
___________________________________________________________________________
A Diretora Regional Norte da Abrajet Pará,  jornalista Benigna Soares, informa aos participantes do XXVIII congresso da Abrajet, o roteiro oficial do Pólo Marajó, informa ainda que qualquer dúvida sobre o roteiro deve tratado diretamente com a coordenação da Abrajet para esse roteiro: abrajetiana Marinete Boulhosa (91) 8132-5899.
A  segue o roteiro:

ROTEIRO DE VIAGEM – DESTINO: ILHA DO MARAJÓ – PARÁ

SALVATERRA/ CACHOEIRA DO ARARI/ SOURE

PERÍODO: 24 A 27/09/2011

Belém / Salvaterra/ Cachoeira do Arari/ Soure

Dia 24 – 1° Dia (Sábado) – Belém/Salvaterra

06h – Apresentação para embarque – Cais 10, das Docas do Pará

10h. Previsão de chegada no Porto de Camará/Salvaterra. Traslado Porto/Hotel. Hospedagem em Salvaterra: Pousada dos Guarás e Pousada do Boto. O grupo será dividido nas duas pousadas.

Após o almoço, visita a praia e Vila de Joanes, vila de origem pesqueira, onde se encontra as ruínas da primeira igreja jesuítica no Marajó, construída no século XVII. É local de ocupação colonial, por onde, possivelmente, se deu a chegada dos portugueses à ilha.  Na vila há a praia de mesmo nome, conhecida por seu aspecto bucólico e tranqüilo, com parte do litoral formados por falésias, onde se encontram as maiores altitudes da ilha.

Noite com show folclórico na Pousada dos Guarás.

Dia 25 – 2º Dia (Domingo) – Salvaterra/Cachoeira/Soure

07h. Café da manhã

07:30h. Saída com destino à cidade de Cachoeira do Arari. Trajeto terrestre pela PA 154, com travessia em balsa.  Parada para apreciarmos os campos naturais do Marajó, que representam a principal vegetação da região leste da ilha.

O município de Cachoeira do Arari surgiu da formação de núcleos populacionais do período colonial a partir de 1700, sendo ocupada originalmente por aldeias indígenas. Foi fundada em 1747, sob o título de Freguesia de Nossa Senhora da Conceição de Cachoeira. Em 1833, com o nome de Cachoeira do Arari, foi elevada à cidade. Com uma área de 2.857, 87km², está localizada entre as margens do rio Arari e os campos naturais do Marajó.

Na cidade faremos um tour panorâmico e visitaremos o Museu do Marajó, um centro de resgate, conservação e divulgação da cultura marajoara, onde é possível ter contato com a autêntica cerâmica marajoara e conhecer mais sobre o caboclo do Marajó, pois um dos objetivos do museu é comunicar um pouco do mundo marajoara, partindo da ótica do caboclo.

O museu nasceu em 1972, na cidade de Santa Cruz do Arari, criado pelo ex-padre Giovanni Gallo. Depois foi transferido para Cachoeira e inaugurado 1987.

O museu do Marajó é diferente e único por duas razões: a) a técnica de comunicação: um museu interativo; b) o objetivo fundamental: o homem, não o objeto. Na primeira, o visitante é quem determina o nível de visitação, indo até onde lhe interessa. Na segunda, o museu tem como ponto de referência o homem e não o objeto exposto. Atrás da peça, do animal, está o homem marajoara com sua forma de ver o mundo.

Após visita, almoço marajoara nas dependências do Museu do Marajó (Restaurante da Zezé).

14:00h. Retorno de Cachoeira, com destino a Soure. Percurso terrestre, com travessia em balsa pelo rio Paracauari.

  • 12 participantes embarcam para a Fazenda Sanjo (home list com Benigna Soares)

Chagada em Soure prevista para o fim da tarde. Hospedagem no Hotel Ilha do Marajó

20:00h. Jantar de boas vindas com show de danças folclóricas paraense.

A cidade de Soure, chamada carinhosamente, de Capital do Marajó é banhada pelo Oceano Atlântico é faz limite natural com a cidade de Salvaterra pelo rio paracauari. Seu origem também se deu das atividades econômicas que propiciavam povoamento no período colonial. (data de fundação), seu traçado urbano.

Na década de 70, dentro de uma política de desenvolvimento para a Amazônia, Soure foi escolhida com uma das cidades com “vocação natural”para o turismo. A partir daí vários hotéis foram instalados na cidade. Por essa razão Soure é a cidade que oferece a melhor estrutura turística da Ilha do Marajó.

Dia 26 – 3ª dia (segunda-feira) – Soure

07h. Café da manhã

08h. Tour panorâmico pela cidade de Soure,  com paradas no Curtume (centro de artesanato de couro de búfalo), Lojas de artesanato local, fábrica de Queijo.

10h. Visita com passeio na Fazenda São Jerônimo. Na fazenda o grupo participará de uma trilha que envolve passeio de charrete ou montado em búfalos e cavalos; caminhada em praia deserta e áreas de manguezais e um incrível passeio de casco (canoa de remo) pelos igarapés, margeados por majestosos manguezais (ecossistema costeiro que no Pará, as árvores alcançam mais de 15 metros de altura).

Após passeio, o grupo se dirigirá a Praia do Pesqueiro, considerado um dos principais cartões postais da cidade. Almoço livre na praia.

Visita a praia de Barra velha, no retorno, parada no Batalhão de Polícia Montada (único no Brasil onde a polícia é montada em búfalos

17h. Retorno ao hotel Ilha do Marajó.

Noite livre

Dia – 27 4ª dia (terça-feira)  Soure/Salvaterra/Belém

4:30h. Hora de deixar a ilha!

O grupo partirá até o Porto de Camará-Salvaterra e de lá pegará o barco de retorno a Belém.

6h Embarque

06:30h. Partida para Belém!

10h – previsão de Chegada em Belém

Benigna Soares – Jornalista
Diretora Regional Norte da Abrajet Pará

 

ROTEIRO DE VIAGEM – DESTINO: ILHA DO MARAJÓ – PARÁ

SALVATERRA/ CACHOEIRA DO ARARI/ SOURE

PERÍODO: 24 A 27/09/2011

 

Belém / Salvaterra/ Cachoeira do Arari/ Soure

Dia 24 – 1° Dia (Sábado) – Belém/Salvaterra

06h – Apresentação para embarque – Cais 10, das Docas do Pará

10h. Previsão de chegada no Porto de Camará/Salvaterra. Traslado Porto/Hotel. Hospedagem em Salvaterra: Pousada dos Guarás e Pousada do Boto. O grupo será dividido nas duas pousadas.

Após o almoço, visita a praia e Vila de Joanes, vila de origem pesqueira, onde se encontra as ruínas da primeira igreja jesuítica no Marajó, construída no século XVII. É local de ocupação colonial, por onde, possivelmente, se deu a chegada dos portugueses à ilha. Na vila há a praia de mesmo nome, conhecida por seu aspecto bucólico e tranqüilo, com parte do litoral formados por falésias, onde se encontram as maiores altitudes da ilha.

Noite com show folclórico na Pousada dos Guarás.

Dia 25 – 2º Dia (Domingo) – Salvaterra/Cachoeira/Soure

07h. Café da manhã

07:30h. Saída com destino à cidade de Cachoeira do Arari. Trajeto terrestre pela PA 154, com travessia em balsa. Parada para apreciarmos os campos naturais do Marajó, que representam a principal vegetação da região leste da ilha.

O município de Cachoeira do Arari surgiu da formação de núcleos populacionais do período colonial a partir de 1700, sendo ocupada originalmente por aldeias indígenas. Foi fundada em 1747, sob o título de Freguesia de Nossa Senhora da Conceição de Cachoeira. Em 1833, com o nome de Cachoeira do Arari, foi elevada à cidade. Com uma área de 2.857, 87km², está localizada entre as margens do rio Arari e os campos naturais do Marajó.

Na cidade faremos um tour panorâmico e visitaremos o Museu do Marajó, um centro de resgate, conservação e divulgação da cultura marajoara, onde é possível ter contato com a autêntica cerâmica marajoara e conhecer mais sobre o caboclo do Marajó, pois um dos objetivos do museu é comunicar um pouco do mundo marajoara, partindo da ótica do caboclo.

O museu nasceu em 1972, na cidade de Santa Cruz do Arari, criado pelo ex-padre Giovanni Gallo. Depois foi transferido para Cachoeira e inaugurado 1987.

O museu do Marajó é diferente e único por duas razões: a) a técnica de comunicação: um museu interativo; b) o objetivo fundamental: o homem, não o objeto. Na primeira, o visitante é quem determina o nível de visitação, indo até onde lhe interessa. Na segunda, o museu tem como ponto de referência o homem e não o objeto exposto. Atrás da peça, do animal, está o homem marajoara com sua forma de ver o mundo.

Após visita, almoço marajoara nas dependências do Museu do Marajó (Restaurante da Zezé).

14:00h. Retorno de Cachoeira, com destino a Soure. Percurso terrestre, com travessia em balsa pelo rio Paracauari.

  • 12 participantes embarcam para a Fazenda Sanjo (home list com Benigna Soares)

Chagada em Soure prevista para o fim da tarde. Hospedagem no Hotel Ilha do Marajó

20:00h. Jantar de boas vindas com show de danças folclóricas paraense.

A cidade de Soure, chamada carinhosamente, de Capital do Marajó é banhada pelo Oceano Atlântico é faz limite natural com a cidade de Salvaterra pelo rio paracauari. Seu origem também se deu das atividades econômicas que propiciavam povoamento no período colonial. (data de fundação), seu traçado urbano.

Na década de 70, dentro de uma política de desenvolvimento para a Amazônia, Soure foi escolhida com uma das cidades com “vocação natural”para o turismo. A partir daí vários hotéis foram instalados na cidade. Por essa razão Soure é a cidade que oferece a melhor estrutura turística da Ilha do Marajó.

Dia 26 – 3ª dia (segunda-feira) – Soure

07h. Café da manhã

08h. Tour panorâmico pela cidade de Soure, com paradas no Curtume (centro de artesanato de couro de búfalo), Lojas de artesanato local, fábrica de Queijo.

10h. Visita com passeio na Fazenda São Jerônimo. Na fazenda o grupo participará de uma trilha que envolve passeio de charrete ou montado em búfalos e cavalos; caminhada em praia deserta e áreas de manguezais e um incrível passeio de casco (canoa de remo) pelos igarapés, margeados por majestosos manguezais (ecossistema costeiro que no Pará, as árvores alcançam mais de 15 metros de altura).

Após passeio, o grupo se dirigirá a Praia do Pesqueiro, considerado um dos principais cartões postais da cidade. Almoço livre na praia.

Visita a praia de Barra velha, no retorno, parada no Batalhão de Polícia Montada (único no Brasil onde a polícia é montada em búfalos

17h. Retorno ao hotel Ilha do Marajó.

Noite livre

Dia – 27 4ª dia (terça-feira) Soure/Salvaterra/Belém

4:30h. Hora de deixar a ilha!

O grupo partirá até o Porto de Camará-Salvaterra e de lá pegará o barco de retorno a Belém.

6h Embarque

06:30h. Partida para Belém!

10h – previsão de Chegada em Belémrodapé.jpg

This makes your lessons more engaging https://essayclick.net/ and gives you important feedback you might not otherwise get